• White/Preto
  • Padrão

Current Style: Padrão

Governo do Estado do Pará

Você está aqui:

Alunos de cursos técnicos começam a ter aulas de forma semipresencial em Ulianópolis

Sectet - qua, 26/05/2021 - 08:13
26/05/2021

Na última segunda-feira (24), os alunos dos cursos técnicos em química e em açúcar e álcool participaram das primeiras aulas do curso de forma semipresencial em Ulianópolis. Oferecidos pelo governo do estado, por meio da Secretaria de Estado de Ciência Tecnologia e Educação Superior Profissional e Tecnológica (Sectet), os cursos são executados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e contam com a parceria da empresa Pará Pastoril e Agrícola S/A  (Pagrisa).

No total, foram ofertadas 40 vagas para cada um dos cursos que se enquadram na modalidade técnico subsequente e terão duração de 18 meses. As aulas iniciaram de forma remota no dia 26 de abril a fim de manter a segurança dos alunos e professores. Com a mudança de bandeiramento da região, entretanto, foi possível começar as aulas de forma semipresencial no dia 24, relatou o diretor do Senai – CEP Paragominas, Antonilson Conceição.

Ele explica que as aulas ocorrem em dois turnos. O curso de técnico em química pela tarde e o técnico em açúcar e álcool no período noturno. Cada turma foi dividida em duas, portanto 20 alunos ficam em uma sala com o professor e os outros 20 podem ficar em outra sala com equipamentos que possibilitam a transmissão simultânea, assim como podem assistir pela plataforma digital de forma remota se preferirem.

Para o diretor do Senai, essa parceria com o governo do Pará e a Pagrisa possibilita que os alunos, assim como as demais personagens envolvidas no contexto local, tenham uma nova perspectiva de vida.  “É muito gratificante ver que a educação e a capacitação profissional estão mudando o cenário desses alunos e dando oportunidades de novas chances no mercado de trabalho”, avalia.

Segundo o coordenador de ensino técnico e tecnológico da Sectet, José Neto, quando a Secretaria faz as articulações para a oferta de um curso é justamente nisso que se pensa. “É importante sempre avaliarmos de que forma será possível mudar a perspectiva e qualidade de vida da população local aproveitando a vocação econômica daquela região e as demandas do mercado”, explica o coordenador. 

A estudante, Ayane Gomes, de 20 anos, que morava em Marabá e soube da oferta do curso por intermédio de familiares, mudou-se para Ulianópolis por causa do curso técnico em química e considera a oportunidade única.  “Estou adorando as aulas. As expectativas são muito grandes, porque vamos fazer a parte prática no laboratório da empresa, onde vamos complementar o nosso conhecimento. Temos que agarrar esse tipo de oportunidade e agradecer porque um curso gratuito assim não é fácil encontrar, por isso vou me dedicar ao máximo”, promete a estudante.

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Gastronomia, em Icoaraci, é o curso mais concorrido da etapa 2020 do Forma Pará

Sectet - seg, 24/05/2021 - 15:04
24/05/2021

Com 19,52 candidatos por vaga, o curso de Gastronomia ofertado pela Universidade do Estado do Pará (Uepa) em Icoaraci, distrito de Belém, é o mais concorrido entre as 20 turmas ofertadas na etapa 2020 do Programa Forma Pará, desenvolvido pelo governo do estado, por meio da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet) em parceria com municípios e Instituições de Ensino Superior Públicas (IES). A prova de seleção da etapa será realizada no dia 4 de julho próximo.

O segundo curso com maior demanda é Psicologia, ofertado pela Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) em Jacundá, município da região sudeste paraense. São 14,46 candidatos por vaga. O curso de História, ofertado pelo Instituto Federal do Pará (IFPA) em Marituba, Região Metropolitana de Belém (RMB), é o terceiro mais procurado, com 11,74 inscritos por vaga e o quarto mais concorrido é Medicina Veterinária, ofertado pela Unifesspa em Piçarra, na região sudeste do Pará, que registrou demanda de 10,10 candidatos por vaga.

“Nessa etapa do Forma Pará temos como parceiras, além da Uepa, todas as IES federais, exceto a UFPA, que nos informou, por meio de ofício assinado pelo reitor, a decisão de voltar a participar do programa apenas em 2022, quando as aulas voltarem a ser realizadas de forma presencial”, explica a secretária adjunta da Sectet, Edilza Fontes, gestora do Forma Pará. Ela ressalta ainda que a Universidade Federal do Pará participou da primeira etapa do Programa, em 2019.

A demanda dos cursos que terão prova em julho foi divulgada pela Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (Fadesp), responsável pelo processo de seleção para os cursos ofertados pelo Forma Pará. São 945 vagas disputadas com a realização de prova específica a ser aplicada ao mesmo tempo em 20 municípios das várias regiões do estado. 

A etapa 2020 do Programa oferta ainda 50 vagas para o curso de Licenciatura em Computação da Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra) em Mosqueiro, que terá a seleção por meio da nota do Enem de 2019. Para esse curso a demanda ficou em 2,08 candidatos por vaga. O resultado da seleção para todos os cursos está previsto para ser divulgado no dia 6 de agosto.

Confira no quadro a demanda dos cursos que terão prova no dia 4 de julho.

FORMA-PARÁ: demanda dos cursos - etapa 2020

IES

Curso

Localidade

Vagas

Inscritos

Demanda

UEPA

Gastronomia

Icoaraci

50

976

19,52

Salinas

50

157

3,14

IFPA

Agronomia

Cachoeira do Piriá

40

189

4,73

Ciências Biológicas

Nosso Repartimento

50

131

2,62

Física

Muaná

50

159

3,18

História

Marituba

50

587

11,74

Rede de Computadores

Dom Eliseu

50

123

2,46

UFOPA

Agronomia

Rurópolis

40

333

8,33

Engenharia Sanitária e Ambiental

Novo Progresso

50

241

4,82

UFRA

Agronomia

Goianésia

50

299

5,98

Mocajuba

50

439

8,78

Ourém

50

193

3,86

Ulianópolis

50

265

5,30

UNIFESSPA

Administração

Abel Figueiredo

50

125

2,50

Ciências Contábeis

Bom Jesus do Tocantins

50

82

1,64

Engenharia Florestal

Tailândia

50

224

4,48

Medicina Veterinária

Piçarra

40

404

10,10

Pedagogia

Itupiranga

50

120

2,40

Psicologia

Jacundá

35

506

14,46

Zootecnia

Ourilândia

40

145

3,63

TOTAL

14

20

945

5.698

6,02

 

Texto: Jeniffer Galvão (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Casa de Cultura Fonte do Caranã é entregue em Salinópolis

Sectet - sab, 22/05/2021 - 18:53
22/05/2021

O Governo do Pará inaugurou, na tarde desta sexta-feira (21), a Casa da Cultura Fonte do Caranã em Salinópolis, no nordeste paraense. O lugar reúne ciência, cultura, história, lazer e turismo em um ponto já conhecido do município, o Espaço Fonte do Caranã. A obra, que custou cerca de R$ 7 milhões, foi totalmente financiada pelo Estado, por intermédio da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet) e da Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas (Fapespa), em terreno cedido pela prefeitura municipal e será gerenciada pela Universidade Federal do Pará (UFPA), por meio de convênio entre a instituição e o governo.

Ressaltando a beleza arquitetônica do espaço, o governador do Pará, Helder Barbalho, comemorou o resultado da parceria entre governo, prefeitura e universidade, prevendo um futuro que considera extraordinário para Salinópolis, enfatizando as atividades de pesca e turismo realizadas no município, mas sobretudo previu o lugar como um grande polo econômico do estado diante da exploração do petróleo.

“Salinas pode ter um horizonte mais extraordinário devido à grandeza da exploração do petróleo que a transformará em um polo econômico extraordinário. Entretanto precisamos planejar como teremos acesso a esse novo tempo para que a população local seja protagonista desse futuro, por isso a importância da Universidade Federal do Pará e da Casa de Cultura, e de trabalharmos todos juntos por uma Salinas mais forte”,  convocou.

O titular da Sectet e diretor-presidente da Fapespa, Carlos Maneschy, explicou que a Casa da Cultura é um equipamento público que congrega várias áreas sociais e vai possibilitar à sociedade aproveitar o que é produzido na academia. “O Governo do Pará se associou desde o primeiro momento, ainda no projeto de implantação do campus da UFPA em Salinópolis, e também custeou toda a construção da Casa de Cultura para que, de fato, isso seja aproveitado da forma mais agregadora, a fim de que a população local veja neste ambiente uma forma de produzir e se apropriar de bens culturais, turísticos e científicos”, ressaltou Maneschy. 

O reitor da UFPA, Emmanuel Tourinho, concorda e complementa destacando que o novo espaço possibilitará desenvolver um conjunto adicional de atividades, além daquelas já realizadas no campus local, de valorização da cultura paraense e de formação científica para toda a população, não só para os estudantes. “A colaboração do governo é fundamental, sobretudo no momento atual de grandes restrições orçamentárias, apoiando financeiramente para que possamos executar projetos que favoreçam o desenvolvimento social e econômico de todo o estado”, pontuou o reitor.

O projeto - Construída em uma área de 1.800 m2, que permite eventos para até mil pessoas, a Casa da Cultura de Salinópolis possui quatro andares, contando com o térreo, que seria o primeiro andar, onde se optou por deixar um vão livre para apresentações culturais e exposições. Já no segundo andar, existe um auditório com capacidade para 150 pessoas e salas de pesquisa. No terceiro andar, fica a biblioteca que já conta com 5 mil livros doados dos acervos do Dr. Mártires Coelho e do geofísico salinopolitano, Carlos Dias, um dos grandes incentivadores do espaço, falecido há alguns meses.

No quarto andar, encontra-se o espaço multiuso com capacidade para 300 pessoas e a varanda com uma privilegiada visão para a praia e outra para a cidade. Por fim, uma estrutura metálica em forma de pássaro foi instalada em cima do prédio. “A estrutura é uma homenagem aos ancestrais Tupinambás que chamavam o município de Uirandeua que significa ‘lugar de muitos pássaros’”, explica o arquiteto do projeto João Castro Filho.

Ele conta também que o projeto aproveitou a água da Fonte do Caranã, que é mineral e antes era desperdiçada, para formar um lago natural em volta do prédio com 12 espécies de peixes, com destaque para o pirarucu. A água da fonte também abastecerá a cisterna do prédio. Sobre o formato da obra, o arquiteto conta que se inspirou nos peixes e nos barcos, tão característicos da região. “A Casa da Cultura tem forma de barco e peixe e é como se estivesse passando pelo lago, mas isso é algo instintivo, quem conclui é o espectador”, avalia João.

Além do governador do estado, do titular da Sectet, do reitor da UFPA e do arquiteto da obra, também compareceram à cerimônia a vice-prefeita de de Salinópolis, Denise Monteiro; os deputados estaduais Luth Rebelo, Victor Dias, Paula Sampaio e Nilse Ribeiro; o titular da Secretaria de Estado de Turismo (Setur), André Dias; além de vereadores municipais e autoridades locais. O evento foi realizado de acordo com os protocolos de segurança de combate à Covid-19. 

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet) com informações de Bruno Magno
Fotos: Marco Santos (Agência Pará)

Categorias: Notícias

Daniela Barbalho troca experiências no Fórum Regional de Doação de Leite Humano 2021

Prodepa - sex, 21/05/2021 - 16:51

 

A primeira-dama do Estado, Daniela Barbalho, participou na manhã desta sexta (21), na Prodepa, do encerramento do Fórum Regional de Doação de Leite Humano e compartilhou experiências sobre amamentação, ressaltando a importância da doação.

Tags: #Prodepa#SantaCasa#AleitamentoMaterno#DoaçãodeLeiteHumano#TecnologiaaServiçodoCidadão
Categorias: Notícias

Daniela Barbalho troca experiências no Fórum Regional de Doação de Leite Humano 2021

Prodepa - sex, 21/05/2021 - 16:51

 

A primeira-dama do Estado, Daniela Barbalho, participou na manhã desta sexta (21), na Prodepa, do encerramento do Fórum Regional de Doação de Leite Humano e compartilhou experiências sobre amamentação, ressaltando a importância da doação.

Tags: #Prodepa#SantaCasa#AleitamentoMaterno#DoaçãodeLeiteHumano#TecnologiaaServiçodoCidadão
Categorias: Notícias

Sectet e Unifesspa definem etapa 2021 do Forma Pará

Sectet - qui, 20/05/2021 - 13:20
20/05/2021

A Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet) e a Universidade Federal dos Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) definem, em reunião nesta sexta-feira (21), os procedimentos para a formalização da oferta de cursos por meio do Programa Forma Pará, etapa 2021.

Está prevista a oferta de 480 vagas em dez municípios da região. “Iremos a Marabá para acertar os detalhes dos convênios que serão assinados com as prefeituras e a universidade e definir os recursos que serão investidos pelo governo do estado para ofertar vagas em nove cursos que atendem à demanda dos municípios”, explica a secretária adjunta da Sectet, Edilza Fontes, gestora do Forma Pará.

Estão previstos para ser ofertados pela Unifesspa nesta etapa do Forma Pará os cursos: Zootecnia (40 vagas), em Piçarra; Medicina Veterinária (40 vagas), em Tucumã; Engenharia Civil (50 vagas), em Rio Maria; Engenharia Mecânica (50 vagas), em Tailândia; Direito da Terra (50 vagas), em Itupiranga; Licenciatura Plena em Educação do Campo (50 vagas), em Bom Jesus do Tocantins (Terra indígena Mãe Maria); Geologia (50 vagas), em Ourilândia; Matemática (50 vagas), em Santa Maria das Barreiras; Matemática (50 vagas), em Abel Figueiredo; e Engenharia Civil (50 vagas), em Eldorado do Carajás.

A etapa 2021 do programa também terá oferta de cursos por outras Instituições de Ensino Superior (IES) públicas em outras regiões do estado. O Forma Pará foi lançado em 2019 e oferta cursos de nível superior em municípios onde não há campi de IES públicas ou onde o curso demandado não é ofertado.

Texto: Jeniffer Galvão

Categorias: Notícias

Prova do Forma Pará será realizada no dia 4 de julho de 2021

Sectet - ter, 18/05/2021 - 13:28
18/05/2021

A nova data para a realização da prova do projeto Forma Pará referente ao processo seletivo de 2020 é dia 4 de julho de 2021. Para definir o novo dia da seleção, a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet) consultou as Instituições de Ensino Superior (IES) públicas e prefeituras envolvidas no processo. Nesta segunda-feira (17), a coordenação do Forma Pará recebeu a confirmação de todos os 18 municípios/distritos e cinco universidades que concordaram com a proposta de data feita pela Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (Fadesp), responsável pela seleção. 

“A prova do processo seletivo 2020 do Forma Pará teve que ser adiada por duas vezes por causa da pandemia. Com a redução do número de casos da Covid no estado e mudança do bandeiramento de vermelho para amarelo e laranja, podemos realizar a seleção com maior segurança, seguindo todas as orientações das autoridades sanitárias”, explica a secretária adjunta da Sectet, Edilza Fontes, gestora do Forma Pará.

A Fadesp, junto com as universidades e prefeituras, vai definir os locais e as condições para a realização da prova. Edilza Fontes reforça que todas as pessoas inscritas no processo estão aptas a participar da seleção, que terá a prova realizada ao mesmo tempo em todos os municípios e distritos previstos no edital. São 995 vagas em 15 cursos.
Inicialmente a prova estava prevista para dezembro de 2020, mas teve que ser adiada para abril deste ano, porém com o aumento de casos de Covid-19 em todo o estado, optou-se por suspender a prova a fim de preservar a saúde dos candidatos. O resultado do processo está previsto para ser divulgado no dia 6 de agosto de 2021.

O Forma Pará foi lançado em 2019 e oferta cursos de nível superior em municípios onde não há campi de IES públicas ou onde o curso demandado não é ofertado. A meta é oferecer, em quatro anos, quatro mil vagas em todas as regiões de integração do Estado. Ainda em 2021, a Sectet lançará novo edital com a oferta de vagas de novos cursos em diversos municípios paraenses.

Texto: Jeniffer Galvão

Categorias: Notícias

Conexão à Internet aproxima população dos serviços públicos

Prodepa - seg, 17/05/2021 - 14:18

 

Nesta segunda-feira (17), comemoramos o Dia Internacional da Internet, data estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU) desde 2005, para colocar em pauta a Inclusão Digital. Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) de 2017, mostram que 57,3% da população paraense tem acesso à internet. Deste percentual, 96,6% acessa pelo celular. Os dados são baseados na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD).

Tags: #Prodepa#Internet#Navegapará#ParaPázAcolhe #DelegaciaVirtual#TecnologiaaServiçodoCidadão
Categorias: Notícias

Conexão à Internet aproxima população dos serviços públicos

Prodepa - seg, 17/05/2021 - 14:18

 

Nesta segunda-feira (17), comemoramos o Dia Internacional da Internet, data estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU) desde 2005, para colocar em pauta a Inclusão Digital. Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) de 2017, mostram que 57,3% da população paraense tem acesso à internet. Deste percentual, 96,6% acessa pelo celular. Os dados são baseados na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD).

Tags: #Prodepa#Internet#Navegapará#ParaPázAcolhe #DelegaciaVirtual#TecnologiaaServiçodoCidadão
Categorias: Notícias

Sectet participa de palestra promovida pela Abajica

Sectet - qui, 13/05/2021 - 13:30
13/05/2021

A Associação de Bolsistas da Amazônia Jica (Abajica) realiza no próximo sábado (15) a palestra “A Ciência e a Tecnologia no Enfrentamento da Covid19”. Para falar do tema a Associação convidou representantes da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet) e da FioCruz Amazônia. O evento online é realizado em parceria com a Associação dos Ex-bolsistas do Japão na Amazônia Ocidental (Ameojapão) e conta com o apoio da Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica).

A palestra é dividia em dois subtemas. O representante da Sectet, o diretor de ciência e tecnologia Demethrius Lucena, vai falar sobre “O Poder da Conexão”, discorrendo sobre os benefícios da conectividade para o avanço econômico e social no período da pandemia. “Epidemiologia COVID19 em Manaus” é o tema da participação do representante da FioCruz Amazônia, Pritesh Lalwani, pesquisador em Saúde Pública.

A palestra será realizada às 17h pelos canais da Abajica no Facebook e no YouTube.

Categorias: Notícias

Tecnologias respaldam metodologias para coleta de dados do 'Meu Endereço'

Sectet - qui, 13/05/2021 - 09:39
13/05/2021

As dificuldades impostas pela pandemia trouxeram à tona uma palavra: adaptação.  Planos e metodologias precisaram ser revistos e adequados aos protocolos de segurança. Foi assim também com o projeto “Meu Endereço: lugar de paz e segurança social”, desenvolvido pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet) em parceria com pela Comissão de Regularização da Universidade Federal do Pará (CRF-UFPA), dentro das ações do programa Territórios pela Paz (TerPaz), do governo do estado.

A equipe interdisciplinar do Meu Endereço criou o Sistema de Apoio à Regularização Fundiária e Conformidade Socioambiental Urbana (Sarfcon), um aplicativo que opera em um tablet e funciona como uma plataforma inovadora de processos, procedimentos, capacitação e assistência técnica em regularização fundiária. “A tecnologia coleta e sistematiza dados socioambientais, de forma on-line e off-line, em áreas urbanas e rurais. Estes dados coletados ficarão hospedadas em uma Central e vão subsidiar o governo na elaboração de políticas públicas para o melhor ordenamento urbano dos territórios do TerPaz, assim como para consolidar o endereço certo das famílias”, explica a coordenadora do Projeto,  Myrian Cardoso.

No processo de coleta dos dados que abastecem a Central de Suporte de Assistência Tecnológica à Regularização Fundiária e Pacificação de Conflitos Socioambientais Urbanos do Estado do Pará, a equipe precisou se adaptar e utilizar tecnologias e inovações para garantir a continuidade das atividades durante a pandemia.

O engenheiro sanitarista, Daniel Mesquita, e o especialista em Geotecnologias e Sensoriamento Remoto, Enivaldo Brito, ambos da CRF-UFPA, destacam a utilização de novas tecnologias como drone, softwares ArcGis e Qgis no mapeamento territorial.  Historicamente, segundo eles, os levantamentos topográficos usavam e usam ainda equipamentos conhecidos por teodolito, estação total, mira, estaca, trena, baliza topográfica e os sistemas de navegação por satélite, entre outros.

Drone - Neste contexto evolutivo, e em tempo de crise sanitária, o uso do drone assume a função de uma tecnologia social em defesa da vida. “O drone proporciona mais precisão na captação dos dados, aperfeiçoa o trabalho em campo e reduz custos operacionais, além de garantir uma maior qualidade das imagens para elaborar uma cartografia e as peças técnicas que serão inseridas nos softwares de regularização e de prevenção dos conflitos socioambientais”, assinalam os dois integrantes da Comissão.

Já no aspecto jurídico, diz José Luiz Caldas, estagiário do Curso Direito na CRF-UFPA, a tecnologia permite o acesso imediato às novas jurisprudências sobre as legislações, como a Lei 13.465/2017, que introduziu o direito real de laje no ordenamento jurídico brasileiro. O direito de laje consiste na possibilidade de coexistência de unidades imobiliárias autônomas de titularidades distintas situadas em uma mesma área, de maneira a permitir que o proprietário ceda a parte superior de sua construção para que  outro morador edifique a sua habitação distinta da construída sobre o solo. “Assim, por meio do diálogo, é possível construir um parecer jurídico multidisciplinar para superar os conflitos habitacionais, fundiários, urbanísticos e ambientais para garantir uma coexistência pacífica e cidadã nas comunidades”, informa Caldas.

Por sua vez, Renato Neves, vice-coordenador do Projeto e engenheiro pesquisador do Instituto de Tecnologia da UFPA, relata que é necessário diferenciar o olhar sobre a função social da tecnologia. O celular, por exemplo, segundo ele, é uma mercadoria vendida no mercado para atender as necessidades convencionais da empresa que o produziu e alimentar o consumo e ter mais lucro. “Quando eu o uso para complementar os dados, por meio do telecadastro visando sistematizar dados para promover melhorias habitacionais, sanitárias e socioambientais nas comunidades, eu estou agregando um valor social e metodológico à tecnologia para um bem coletivo, como ocorre no Projeto Meu endereço”, assevera.

Telecadastro - Na avaliação da assistente social Lourdes Barradas, integrante do Grupo de Trabalho de Capacitação do Projeto, ao destacar a prática metodológica do telecadastro socioeconômico comunitário que está sendo construída pelas equipes interdisciplinares do Meu Endereço, o uso das novas tecnologias é fundamental.   “Em tempo de pandemia da Covid-19 e a necessidade de isolamento social para cumprir os protocolos de segurança em defesa da saúde pública nas comunidades, o uso das novas tecnologias da informação e comunicação é fundamental para coletar os dados complementares sobre o levantamento socioeconômico das comunidades e dar continuidade em home office aos trabalhos do Meu Endereço”, ressalta.

Com o uso desta tecnologia social em consolidação, segundo Lourdes, foi possível confirmar dados e constatar que do total das famílias inscritas no Projeto Meu Endereço, no bairro da Cabanagem, por exemplo, desde a realização das “Quintas da Cidadania”, 81% são mulheres e 19% são homens, evidenciando o papel da mulher na busca das melhorias habitacionais e socioambientais. Dessas mulheres, 65% são mães solo, ou seja, são inteiramente responsáveis pela criação dos filhos e 33% têm uma renda inferior a um salário mínimo, enquanto 38% têm rendimento de um salário mínimo.

Para ela, a conferência e a complementação dos dados por meio da nova metodologia, via ligação de celular ou telefone fixo, reforçam a defesa da saúde pública na comunidade e para os profissionais da Comissão, além de promover a celeridade e a eficiência da gestão dos dados nos processos fundiários e as melhorias socioambientais para as comunidades nos territórios. “É uma renovação diária do aprendizado”, detalha a assistente social.

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet com informações Kid Reis – Ascom/ CRF-UFPA)

     
Categorias: Notícias

Edital de Chamamento 001/2021

Sectet - qui, 06/05/2021 - 14:28
06/05/2021

Termo de Anulação

Foi publicado nesta quinta-feira (6) no Diário Oficial do Estado (DOE) o Termo de Anulação do Edital de Chamamento Público n° 001/2021. A anulação foi necessária devido o processo ferir o princípio da isonomia e apresentar insegurança jurídica. A decisão foi tomada pela Comissão de Avaliação que se baseou em parecer emitido pelo Núcleo Jurídico da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet).

O Termo de Anulação garante prazo de dez dias úteis para recursos à decisão tomada. Confira o Termo AQUI .

Categorias: Notícias

Sectet abre edital para ampliar parcerias do Forma Pará

Sectet - qua, 05/05/2021 - 08:01
05/05/2021

A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet) publicou nesta quarta-feira (5), no Diário Oficial do Estado (DOE), o edital de chamamento público no 05/2021 que busca selecionar organizações da sociedade civil interessadas em celebrar parcerias na área de educação superior por meio da oferta de cursos de graduação nas diversas regiões paraenses.

Na prática, o edital possibilita que as instituições de ensino superior (IES) privadas possam se credenciar para realizar ações de apoio ao Forma Pará. O Programa, gerido pela Sectet, visa à expansão do ensino por todo o estado com a oferta de cursos superiores em municípios que não possuem campi das universidades públicas ou que tenham demanda para determinado curso que não é ofertado ali.

A secretária adjunta da Sectet, Edilza Fontes, destaca que o Forma Pará é um dos principais programas do órgão. Lançado em 2019, ele está presente em todo o estado, entretanto se observou a necessidade de novas parcerias para que as demandas dos municípios fossem atendidas. “Verificamos que não conseguiríamos atender a demandas de cursos como direito, odontologia e enfermagem, pois as IES públicas que oferecem esses cursos não teriam condições logísticas de atender determinadas regiões, por isso consultamos a Procuradoria Geral do Estado que nos autorizou a abrir o edital”, explica.

O intuito é ampliar a oferta de cursos superiores no Pará com a finalidade de melhorar o tripé científico no estado, composto por ensino, pesquisa e extensão. As instituições interessadas, atendidos os requisitos legais descritos no edital, deverão apresentar requerimento de credenciamento acompanhado de toda a documentação detalhada exigida entre a 00:00h do dia 13 de maio e às 23:59h do dia 14 de maio, por meio do e-mail ies.credenciamento@gmail.com

Serviço: O edital completo está disponível na área “Editais” do site AQUI.

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

No terceiro dia, webinário debate práticas e autonomia da mulher

Sectet - seg, 03/05/2021 - 10:44
03/05/2021

O Webinário “Percursos para uma governança participativa: Experiências e Práticas do TerPaz” debateu na noite desta quinta-feira (29) os temas Mídia e TerPaz: Estabelecendo Relações com o Território e Mulheres Empreendedoras. Realizado pela Secretaria Estratégica de Articulação e Cidadania (Seac), o evento chegou ao terceiro dia com duas mesas-redondas.

A primeira abordou as iniciativas que ampliam a cobertura e o debate público na periferia, e os esforços da Rede Local de Cidadania da Terra Firme (um dos bairros atendidos pelo Programa Territórios pela Paz- TerPaz) no desenvolvimento de estratégias que alcancem o público-alvo dessa política social e de segurança pública.

Um dos participantes foi a gestora do Território da Terra Firme, Gabriella Oliveira, que falou sobre os desafios e as mudanças obtidas desde o início das ações de governo. “A comunicação se deu desde o início do programa. Utilizamos as redes sociais, que foi um ponto muito importante, e também a conversa presencial através de reuniões. Agora, durante a pandemia, a utilização dos meios digitais foi fundamental. Já tivemos muitas melhorias, mas o processo ainda está em andamento. Continuamos lapidando todas as formas de comunicação de gestão dentro do Território, para que melhorem sempre os resultados do TerPaz no bairro da Terra Firme”, informou a gestora.

Outro palestrante foi o jornalista e coordenador do Projeto Periferia em Foco, Wellingnton Frazão, que abordou o trabalho desenvolvido no bairro da Cabanagem. “A chegada do TerPaz ao bairro acabou se materializando em tudo aquilo que estávamos divulgando ao longo desses quase cinco anos de trabalho, ou seja, as coisas boas da periferia, potencializando o bairro da Cabanagem. O Programa Territórios pela Paz deu qualidade de vida para os moradores, que há muitos anos se sentiam renegados com a ausência do poder público”, enfatizou.

Para o mediador Paulo Garcia, coordenador do Núcleo de Comunicação da Seac, “é sempre um prazer falar sobre comunicação, principalmente sobre comunicação comunitária, e como ela se configura como ferramenta para se conectar com a população. Nesta mesa falamos sobre algumas iniciativas que ampliam a cobertura e o debate para o público dentro das periferias, assim como trocamos experiências e os esforços que a rede local da cidadania do governo do Estado desenvolve como estratégias de linguagens para alcançar o público do Programa Territórios pela Paz”.

Empreendedorismo - Na segunda mesa-redonda foram abordadas iniciativas no âmbito do TerPaz e como o empreendedorismo pode contribuir para a emancipação das mulheres e a interrupção de violências cotidianas. Participaram a gestora do Território do Benguí, Juliana Chaves, que reforçou a importância de políticas públicas voltadas ao público feminino.

“Acredito que todos os outros gestores encontraram alguma dificuldade inicial ao chegar ao Território. Felizmente, superamos essa fase, e hoje temos uma ocupação territorial do Bengui, onde conseguimos rodar as ações do TerPaz e atender às demandas da população de forma muito tranquila. Hoje fiz parte da mesa-redonda sobre empreendedorismo feminino, que é um dos grandes objetivos do Programa, já que as mulheres são parte do nosso público-alvo. O Território do Bengui foi escolhido para esse debate justamente por termos nos destacado em ações ligadas às mulheres, como foi o caso dos projetos Máscara para Todos e Ela Pode, que discutimos hoje”, contou.

A pesquisadora e assistente de Projetos do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), Amanda Pimentel, destacou em sua palestra os desafios enfrentados pela mulher. “Nesse período pandêmico nós vimos um aumento no número de casos de violência contra a mulher, principalmente depois que a quarentena foi decretada no Brasil, na segunda quinzena de março do ano passado. O que levou, inclusive, importantes organizações internacionais, como a ONU Mulheres, que é o escritório das Nações Unidas especializado em questão de direitos das mulheres, a afirmar que logo no início da pandemia estávamos vivendo uma dupla pandemia: primeiro a da Covid-19, e ao mesmo tem uma de violência contra a mulher. Nesse contexto, no Fórum trabalho assessorando uma série de projetos da instituição, em especial aqueles voltados ao tema da violência de gênero. Coletamos dados e informações junto aos órgãos estaduais e federais, além de lançarmos reflexões e propostas para o enfrentamento às diversas formas de violência, buscando também influenciar o debate público e a formação da opinião pública sobre esses temas”, disse a pesquisadora.

Autonomia financeira - O Projeto Ela Pode é uma parceria do governo do Estado, por meio da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet), com a Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (Fadesp), nas ações do TerPaz. A metodologia é do Instituto Rede Mulher Empreendedora, braço social da Rede Mulher Empreendedora, maior rede de apoio ao empreendedorismo feminino do Brasil, que visa capacitar duas mil mulheres nos sete bairros do TerPaz. “O ‘Ela Pode’ é um projeto voltado ao estímulo da autonomia financeira e socioemocional de mulheres pela perspectiva do empreendedorismo feminino, entendendo que é muito importante que a mulher construa sua autonomia financeira e socioemocional para que seja protagonista das suas escolhas”, explicou a coordenadora do “Ela Pode”, Jana Boghi.

Para a mediadora Carol Sales, “no Pará nunca houve um programa que trabalhasse de fato essa política de participação comunitária junto da gestão pública. Construir isso é um processo muito rico. Hoje, com quase dois anos nos Territórios, nós podemos entender um pouco melhor como funciona cada recorte e traçar um plano pra trabalhar isso junto dos nossos parceiros. No Bengui, por exemplo, existe uma representatividade feminina muito grande. É o único Território pela Paz que tem uma sede do Grupo de Mulheres Brasileiras. Já conseguimos desenhar quais os serviços que irão atender a mulher que também é mãe, empreendedora, dona de casa, servidora”.

Texto: Elizabeth Teixeira (Ascom/Seac)

Fotos: Divulgação

 

Categorias: Notícias

Prodepa e Polícia Civil do Pará ampliam os serviços da Delegacia Virtual

Prodepa - sex, 30/04/2021 - 13:54

 

Nesta sexta-feira (30) a Polícia Civil do Pará disponibilizou mais duas opções de registro de ocorrência, na delegacia virtual. Maus-tratos contra animais e roubo/furto de motoristas de aplicativo agora terão o registro facilitado.

Categorias: Notícias

Prodepa e Polícia Civil do Pará ampliam os serviços da Delegacia Virtual

Prodepa - sex, 30/04/2021 - 13:54

 

Nesta sexta-feira (30) a Polícia Civil do Pará disponibilizou mais duas opções de registro de ocorrência, na delegacia virtual. Maus-tratos contra animais e roubo/furto de motoristas de aplicativo agora terão o registro facilitado.

Categorias: Notícias

Webnário aborda o tema Mulheres Empreendedoras

Sectet - qua, 28/04/2021 - 12:07
28/04/2021

O tema “Mulheres Empreendedoras” será abordado na noite desta quinta-feira (19) dentro da programação do webnário “Percursos para uma Governança Participativa - Experiências e Práticas do TerPaz”, organizado pela Secretaria Estratégica de Articulação da Cidadania (Seac).

A mesa, que se inicia às 19h50, contará com a exposição da experiência do projeto Ela Pode, desenvolvido pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet) em colaboração com a Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (Fadesp), dentro das ações do Programa Territórios pela Paz (TerPaz) do Governo do Estado.

Iniciativa do Instituto Rede Mulher Empreendedora, maior Rede de empreendedorismo Feminino do Brasil, com o apoio da Google, o Ela Pode visa capacitar as moradoras dos sete bairros que compõem o TerPaz nas cidades de Belém, Ananindeua e Marituba.

No webnário, o projeto será representado por uma das coordenadoras do Ela Pode, Jana Boghi. Ela ressalta que ‘’o Ela Pode é um projeto voltado para o estímulo da autonomia financeira e socioemocional de mulheres pela perspectiva do empreendedorismo feminino, entendendo que é muito importante que a mulher construa sua autonomia financeira que seja protagonista das suas escolhas’’.

O webnário teve início no dia 27 de abril e vai até esta sexta-feira (30) com o objetivo de intercambiar experiências e práticas de gestão participativa no âmbito das políticas públicas. Além disso, visa sistematizar as boas práticas em torno TerPaz, socializar as atividades e resultados das Redes Locais de Cidadania do programa e intensificar a divulgação dos resultados e tecnologias sociais obtidos a partir de experiências e práticas, bem como, conhecer e compartilhar experiências de governança local.

Serviço: O evento é aberto ao público em geral e transmitido pela página da Seac no Facebook. Para participar é só acessar AQUI.

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet, com informações da Ascom/Seac)

Categorias: Notícias

Forma Pará

Sectet - sex, 16/04/2021 - 13:27
16/04/2021

Vestibular do Programa Forma Pará permanece suspenso devido à pandemia

Na tarde desta quinta-feira (15), estiveram reunidos representantes da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet), das Instituições de Ensino Superior, prefeituras envolvidas e da Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (Fadesp) para definir sobre a possível nova data das provas para o processo seletivo do Programa Forma Pará. Entretanto devido ao bandeiramento vermelho da maioria dos municípios em questão diante do atual cenário de pandemia ainda não foi possível marcar uma nova data.

O processo diz respeito à chamada 2020 do programa que abriu 995 vagas de 15 cursos em 18 municípios e 2 distritos paraenses. Inicialmente a prova estava prevista para dezembro de 2020, mas teve que ser adiada para abril deste ano, porém com o aumento de casos de Covid-19 em todo o estado, optou-se por suspender a prova a fim de preservar a saúde dos candidatos. A coordenação do Programa Forma Pará reforça que as inscrições realizadas continuam válidas.

O Forma Pará foi lançado em 2019 e oferta cursos de nível superior em municípios onde não há campi de IES públicas ou onde o curso demandado não é ofertado. A meta é oferecer, em quatro anos, quatro mil vagas em todas as regiões de integração do Estado. Ainda em 2021, a Sectet lançará novo edital com a oferta de vagas de novos cursos em diversos municípios paraenses.

Categorias: Notícias

Páginas