• White/Preto
  • Padrão

Current Style: Padrão

Governo do Estado do Pará

Você está aqui:

Consectet toma posse com a missão de contribuir para a efetivação da política de ciência e tecnologia

Sectet - sex, 06/08/2021 - 17:36
06/08/2021

Representantes de órgãos do governo do estado, de instituições de ensino e pesquisa, do setor produtivo e da sociedade civil tomaram posse como membros do Conselho Estadual de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Consectet), em solenidade realizada na tarde desta quinta-feira (5), no auditório David Mufarrej, da Universidade da Amazônia (Umana).

O Secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica, Carlos Maneschy, presidente do Consectet, ressaltou o momento em que os conselheiros e conselheiras assumem seus assentos. Referindo-se ao substancial aumento na destinação de recursos para a área de ciência, tecnologia e inovação, Maneschy destacou que as ações do governo do estado vão bem além do discurso, “permitindo o investimento efetivo em serviços e produtos que utilizam a ciência, a tecnologia e a inovação para a promoção do desenvolvimento do estado, traduzindo-se em qualidade de vida para a população”.

Recursos – Publicada em novembro de 2020, a Lei 133 determina a destinação de 20% dos recursos da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (Cfem) para serem aplicados em atividades relativas à diversificação econômica, ao desenvolvimento mineral sustentável e ao desenvolvimento científico e tecnológico.
Carlos Maneschy, que também é presidente da Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas (Fapespa), informou que a Secretaria passou de um orçamento anual de cerca de R$ 17 milhões, em 2019, para aproximadamente R$ 150 milhões previstos para 2022 e o orçamento da Fundação saiu de cerca de R$ 20 milhões para R$ 80 milhões anuais. 

O Consectet tem papel importante na destinação desses recursos. Como órgão consultivo e propositivo, “dará as direções, as grandes metas, o caminho ideal para que possamos usar de forma otimizada esses recursos”, acrescenta Maneschy. Ele enfatiza que, em linhas gerais, os recursos serão investidos na formação de recursos humanos qualificados, inclusão do ensino tecnológico como protagonista do desenvolvimento estadual e na destinação de recursos para empresas trabalharem em ideias inovadoras.

 “Serão investidos em várias áreas, todas elas associadas com a geração e apropriação de conhecimento novo, o que é decisivo, indispensável para o desenvolvimento do estado”, finaliza o secretário.

Diálogo – A secretária adjunta da Sectet, Edilza Fontes, destacou durante a cerimônia que o momento promissor que vive a ciência e tecnologia no estado só está sendo possível “porque o governador Helder Barbalho é democrático, aberto ao diálogo e tem atendido às reivindicações do secretário Carlos Maneschy. Com essa sintonia de ações o estado do Pará certamente dará um salto, trazendo desenvolvimento para toda a nossa população”.

As procuradoras da Fapespa, Nágila Souza e Samila Azevedo, fizeram a apresentação do decreto 1713, publicado no dia 12 e julho de 2021, que regulamenta o fomento de políticas públicas na área de ciência, tecnologia e inovação, trazendo a segurança jurídica necessária para as ações efetivas do estado no setor.

Instituições - Além da Sectet e da Fapespa, fazem parte do Conselho a Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Pará (Prodepa), a Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap), a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme); a Secretaria de Estado de Turismo (Setur), o Instituto Federal do Pará (Ifpa), a Universidade do Estado do Pará (Uepa), a Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), a Universidade Federal do Pará (UFPA), a Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), a Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa), a Assembleia Legislativa do Estado do Pará (Alepa), o Banco da Amazônia, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a Federação da Agricultura e Pecuária do Pará (Faepa), a Federação das Associações de Municípios do Pará (Famep), a Federação do Comércio do Estado do Pará (Fecomércio), a Federação das Indústrias do Estado do Pará (Fiepa), o Instituto Evandro Chagas, o Instituto Senai em Inovação em Tecnologias Minerais (Senai - ISI – TM), o  Museu Emílio Goeldi, o  Parque de Ciência e Tecnologia Guamá (PCT Guamá), o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Pará (Sebrae-PA) e a Universidade da Amazônia (Unama).

Texto: Jeniffer galvão (Ascom/Sectet)
Fotos: Priscila Castro (Ascom/Sectet)

 

Categorias: Notícias

Sectet abre PPS para contratar professores para escolas técnicas

Sectet - sex, 06/08/2021 - 17:23
06/08/2021

Foi publicado nesta sexta-feira (6) no Diário Oficial do Estado o edital do Processo Seletivo Simplificado (PSS) para a contração em caráter temporário de professores para escolas técnicas da rede estadual. São 16 vagas no total sendo, 12 para Belém, 2 para Santarém e 2 para Benevides.  As inscrições devem ser feitas por meio do site da Secretaria de estado de Ciência, tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet) a partir das 12h (meio-dia) de segunda-feira (9) até 23h, 59m e 59s (meia-noite) de quarta-feira (11).

As vagas são para os eixos tecnológicos de Gestão e Negócios, Informação e Comunicação e Educacional e Social. A formação exigida dos candidatos e formação nas áreas de Administração, Contabilidade, Ciência da Computação ou Engenharia da Computação e Licenciatura com proficiência em Libras. Os salários variam entre R$ 1.034,65 a R$ 2.069,30 crescidos de 80% de Gratificação de Escolaridade e Auxílio Alimentação de R$ 600,00. 

Confira o edital AQUI.

Texto: Jeniffer Galvão (Ascom/Sectet)

 

Categorias: Notícias

Conselho Estadual de Ciência e Tecnologia toma posse nesta quinta-feira (5)

Sectet - ter, 03/08/2021 - 11:09
03/08/2021

O Conselho Estadual de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Consectet) tomará posse na próxima quinta-feira (5) em solenidade realizada no auditório David Mufarrej, no campus da Unama. O Conselho é formado por representantes de 26 instituições, entre órgãos do governo do estado e instituições da sociedade civil, sendo presidido pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet).

Na ocasião, o titular da Sectet, Carlos Maneschy, fará a apresentação do Decreto 1713/2021, que regulamenta a legislação referente ao setor e dispõe sobre ações da política estadual de ciência, tecnologia e inovação. Ele também falará sobre a destinação de pelo menos 20% dos recursos da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (Cfem) para aplicação em atividades relativas à diversificação econômica, ao desenvolvimento mineral sustentável e ao desenvolvimento científico e tecnológico.

 

Categorias: Notícias

Inova Amazônia abre inscrições para desenvolver propostas inovadoras

Sectet - ter, 03/08/2021 - 10:32
03/08/2021

Está aberto o prazo para submissão de propostas ao programa Inova Amazônia, desenvolvido pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Pará (Sebrae-PA), pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior e Tecnológica (Sectet) e pela Fundação Guamá, com o apoio da União Europeia.

O Inova Amazônia tem como objetivo estimular o empreendedorismo e a inovação, por meio de capacitações para o desenvolvimento de produtos (bens e/ou serviços) ou de processos inovadores, para transformar ideias inovadoras em empreendimentos e fortalecer pequenos negócios que incorporem novas tecnologias aos setores relacionados à bioeconomia no Estado do Pará.

“Como o StarUp Pará, o Inova Amazônia vem ao encontro do objetivo do governo em incentivar a inovação e o empreendedorismo no estado, fortalecendo no Pará um ambiente de apoio a ideias criativas, utilizando os nossos recursos naturais de maneira inteligente, respeitando o nosso meio ambiente e os saberes da nossa gente”, ressalta a coordenadora do StartUp Pará, Maria Trindade.

O titular da Sectet, Carlos Maneschy, enfatiza que o investimento em programas como o StartUp Pará e o Inova Amazônia é o cumprimento do compromisso assumido pelo governador Helder Barbalho em promover o desenvolvimento sustentável do Pará. “Temos recursos naturais com grande potencial econômico e a utilização dessa riqueza de forma responsável é imprescindível. Assim, é fundamental o investimento em capacitação, proporcionando condições para que ideias inovadoras possam ser concretizadas em prol do desenvolvimento do nosso estado”, destaca o secretário Carlos Maneschy.

Temas e áreas - Segundo o Edital de Chamamento Público, publicado no dia 13 de julho no site do Sebrae-PA, o Inova Amazônia irá apoiar projetos inovadores nas temáticas: biodiversidade, biotecnologia e bioeconomia que partam da utilização sustentável de recursos naturais da Amazônia Legal, de forma inovadora e que tenham suas soluções aplicadas às seguintes áreas: Alimentos; Agricultura; Aquicultura e Pesca; Bebidas; Biocombustíveis; Bioenergia; Bioplásticos e Embalagens; Casa e construção; Ecodesign; Ecoturismo; Farmoquímico e Farmacêutico; Fitoterápicos e Nutracêuticos; Florestas; Higiene, Perfumaria e Cosméticos; Indústria Têxtil e Moda; Química e Novos Materiais; e Tecnologia da Informação e Logística aplicadas aos segmentos de Bioeconomia.

O programa será realizado em três fases. Na primeira serão recebidas propostas inovadoras, que devem ser enviadas até o dia 05 de setembro/2021. Serão selecionados até 50 projetos que receberão capacitação durante dois meses, período denominado "Pré-aceleração". 

Na segunda fase será feita a seleção de até 30 melhores projetos dentre os que foram selecionados na fase anterior. Os projetos selecionados receberão capacitação denominada “Aceleração” e receberão apoio financeiro de R$ 6 mil mensais, por meio da Bolsa de Estímulo Inovação de Apoio ao Empreendedorismo, durante um período de seis meses.

A terceira fase é a “Internacionalização” quando serão selecionados até dez projetos, que receberão capacitação por mais dois meses com foco em expansão do negócio para acessar mercados internacionais.

Confira mais informações AQUI.

Texto: Jeniffer Galvão (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Escola Técnica de Salvaterra conquista medalhas de ouro em Mostra Brasileira de Foguetes

Sectet - ter, 03/08/2021 - 09:51
03/08/2021

Pelo terceiro ano consecutivo, alunos da Escola de Ensino Técnico de Salvaterra são medalhistas da Mostra Brasileira de Foguetes (MobFog), que ocorre paralelamente a Olimpíada Brasileira de Astronomia (OBA). O comitê organizador da Olimpíada, divulgou o resultado da MobFog no último sábado (31). Os alunos Guilherme Rocha e Matheus Nascimento foram premiados com a medalha de ouro por terem alcançado a marca de 189 metros no lançamento dos foguetes. 

O coordenador do projeto MobFog da Eetepa Salvaterra, Alan Luís Figueiredo da Paz, professor de Física, parabeniza os alunos pelo resultado alcançado. Ele destaca as dificuldades em realizar uma olimpíada educacional em meio a uma pandemia. “Porém nossos alunos não criaram resistência e, juntos, adquiriram conhecimentos, experiências e demonstraram compromisso com esta atividade de grande entusiasmo em nossa escola. Agradecemos aos incentivadores e colaboradores do projeto. Juntos impulsionamos nossos alunos a vivências e conquistas únicas em suas vidas”, comemora o professor.

A diretora da escola, Gisele Abdon, ressalta que o projeto ajuda os alunos a aumentarem o interesse pela disciplina, melhorarem o desempenho escolar e estabelecem ótima relação aluno-professor. “Estou orgulhosa por todos eles. São três anos de sucesso e garantimos todo o nosso apoio a essa equipe”, enfatiza a diretora.

O coordenador de ensino técnico e tecnológico da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet), José Neto, salienta o trabalho dos alunos e da equipe da Eetepa Salvaterra. “Estão todos de parabéns. Para nós é uma grande satisfação ver nossos alunos se destacarem nacionalmente e mais importante ainda é ver o crescimento pessoal de cada um deles”, frisa.

Foguetes - Os foguetes são construídos a partir de materiais recicláveis, como garrafas pet, forro de PVC ou similar, e devem voar numa base que pode ser de madeira ou tubo de PVC hidráulico ou ainda conforme a criatividade do aluno e materiais disponíveis.

O professor Alan da Paz explica que os foguetes são impulsionados pela reação química da mistura entre ácido acético (H4C2O2) – vinagre e bicabornato de sódio (NaHCO3), gerando o gás dióxido de carbono (CO2) que pressuriza o interior do foguete (garrafa pet); em seguida um gatilho artesanal é acionado, liberando o foguete numa trajetória parabólica.

As fases de construção dos foguetes e da base de lançamento, a testagem e lançamentos oficiais são feitas sob a supervisão do professor e os alunos ainda recebem acompanhamento pedagógico, principalmente as equipes iniciantes.

Este ano, os lançamentos oficiais da Mobfog em Salvaterra foram realizados no dia 27 de maio, com a participação de 15 alunos. A metragem máxima alcançada pelos foguetes foi de 189 metros, superando, assim, a marca do ano passado que foi de 163 metros.

Texto: Jeniffer Galvão (Ascom/Sectet)

Fotos: Divulgação

Categorias: Notícias

Prodepa promove campanha de imunização contra gripe H1N1

Prodepa - seg, 02/08/2021 - 09:54

 

Na última quarta (28), colaboradores da Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Pará (Prodepa), receberam a vacina contra H1N1. A campanha foi em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde (Sesma) da Prefeitura de Belém. 

Tags: #Prodepa#imunizaçao#saúde#TecnologiaaServiçodoCidadão
Categorias: Notícias

Edital 006/2021_Resultado provisório

Sectet - seg, 26/07/2021 - 11:11
26/07/2021

Foi publicado no Diário Oficial do Estado o resultado provisório do Edital de Chamamento Público 006/2021. Confira AQUI

Categorias: Notícias

Aluna da Eetepa de Paragominas representa o Pará na comemoração do Programa Jovem Senador

Sectet - qui, 22/07/2021 - 14:00
22/07/2021

Promover aos estudantes o acesso a projetos pedagógicos dos quais eles próprios sejam protagonistas. Essa é uma das missões que a gestão da Escola de Ensino Técnico do Estado do Pará (Eetepa) de Paragominas, no sudeste paraense, enxerga como sua. 

Um dos frutos desse trabalho surgiu este mês. A aluna do curso técnico em agropecuária, Eduarda Ferreira da Costa, de 19 anos, foi a escolhida como representante do Pará na comemoração de 10 anos do programa Jovem Senador, que ocorreu no final do ano passado.

O programa, promovido pelo Senado federal, tem o intuito de proporcionar aos estudantes da rede pública estadual, o conhecimento sobre a estrutura e o funcionamento do Poder Legislativo no Brasil. Anualmente, são 27 alunos selecionados por meio de um concurso de redação para vivenciar o trabalho dos senadores em Brasília.

Campanha
A edição de 2020 do Jovem Senador foi adiada por causa da pandemia da Covid-19. Mas, de forma muito especial, o Senado juntamente às escolas públicas estaduais, continuaram cultivando o Programa e a programação ocorreu no formato on-line entre os dias 23 e 27 de novembro passado, quando foi realizada a campanha “Plante sua Árvore do Conhecimento”. Em substituição à presença física no Senado, optou-se por  uma ação de cunho ecológico e conscientizador, como uma forma simbólica de manter a chama do programa acesa.
Para participar, o aluno deveria plantar uma árvore em sua escola, registrar a ação por meio de fotos ou vídeos e compartilhar seus registros nas suas redes sociais durante o mês de novembro com as hashtags: #JovemSenador #ArvoreDoConhecimento, marcando o perfil @jovemsenador (nas plataformas digitais) nas publicações do seu plantio. Após isso, deveria printar a postagem e anexar no formulário de inscrição, para validá-la.

Foi exatamente isso que a aplicada aluna da Eetepa Paragominas fez e agora colhe os resultados. 

Eduarda classifica como surpreendente a participação na campanha e confessa que agora consegue sonhar com um futuro melhor. “Agora que acredito mais, sei que posso muito mais, então, vou em busca de conhecimento que mais pra frente possa compartilhar com outras pessoas, além de buscar realizar meus sonhos e, no caminho, fazer minha parte para o mundo se tornar um lugar melhor”, planeja a estudante.

Ela conta que se tivesse a oportunidade de atuar no Congresso federal lutaria por questões voltadas às áreas de educação e saúde. “Eu também buscaria o desenvolvimento de programas em que os jovens tivessem voz para falar das suas necessidades e programas que desenvolvessem  atividades para que esses jovens sempre estivessem em busca de algo melhor pra si e para a sociedade. Já, para a área da saúde tentaria desenvolver um sistema que diminuísse a questão de espera para tratamento de doença”, pontua.

Apoio
A diretora da Eetepa Paragominas, Leila Moreira, ressalta que “a pedagogia de projetos está presente na rotina da escola, embora a pandemia os tenha restringido a ações pontuais, temáticas e de forma on line”. Ela explica que os alunos contam com o incentivo e orientação dos professores para que os projetos se tornem realidade.

Uma das incentivadoras de Eduarda foi a professora de biologia Cynara Penafort Costa. Ela destaca que vê sempre “inúmeras possibilidades de aprendizagens para os alunos durante as práticas significativas como o plantio da árvore do conhecimento”. Para a professora, existe a necessidade de aproximar os alunos do gosto pelos certames nacionais.

A Eetepa de Paragominas faz parte da rede de escolas que estão sob a gestão da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet) desde 2020. Com a lei publicada no Diário Oficial do Estado do dia 17 de julho daquele ano, o governo do estado está intensificando a integração do ensino médio regular a uma educação profissional e tecnológica, dentro da rede de escolas técnicas já existente, buscando ainda ampliar a rede, alcançando mais municípios, ajudando a fomentar a vocação econômica das diversas regiões paraenses.

Para o coordenador de ensino técnico e tecnológico da Sectet, José Pereira Neto, a participação nesse tipo de evento que agrega valor aos alunos e à escola é extremamente importante. 

"A Secretaria entende como essencial a participação em eventos, campanhas e concursos e está à disposição para apoiar da melhor forma possível a fim de que os estudantes tenham oportunidade, a partir dessas experiências, crescerem como seres humanos, cidadãos e profissionais", completa o coordenador.

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet)
Fotos: Hellem vitória Souza Roni

Categorias: Notícias

Rastreabilidade e Selo Vegano podem garantir qualidade ao açaí paraense

Sectet - seg, 19/07/2021 - 14:59
19/07/2021

A Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas (Fapespa) vinculada a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet), assinou, este ano, convênio com a Associação BioTec-Amazônia, para execução do projeto Genoma do Açaí. Uma das missões é ampliar a capacidade de produção e garantir a sustentabilidade do fruto.

O paraense nascido e criado no Pará é conhecedor do açaí. Desde o ponto certo para colher e extrair a polpa do açaí; em quanto tempo, após batido, deve ser consumido; até a forma de guardar o vinho e a maneira de comercializar o produto. “Mas, quem não nasceu aqui no Estado desconhece essas características organolépticas apuradas. Então, a gente precisa conseguir definir os terroir porque isso agrega um valor enorme no produto que está sendo comercializado para fora da nossa casa”, explicou o pesquisador Artur Silva, Diretor Científico da BioTec-Amazônia.

O estudo do sequenciamento genético do açaí é realizado pelo Laboratório de Engenharia Biológica, instalado no Parque de Ciência e Tecnologia – PCT Guamá, e que faz parte do grupo de laboratórios da Universidade Federal do Pará – UFPA que dão suporte à BioTec-Amazônia para ações estratégicas de coordenação e elaboração de pesquisas com recursos do Governo do Estado. Para isso, algumas etapas precisam ser cumpridas, após a conclusão do sequenciamento do Genoma do Açaí.

A primeira é implementar um selo vegano ao produto. “Nós, da BioTec-Amazônia, somos uma certificadora para produção de selo vegano. Então, nós podemos emitir um selo, inclusive na língua inglesa. E podemos usar duas marcas fortes: o selo vegano e a Amazônia”. Para além do selo, a segunda etapa é o controle de qualidade dessa produção local. “Nós podemos tirar, de maneira imediata do Genoma do Açaí, justamente o controle de qualidade em relação à pureza. Nós somos capazes de te dizer se dentro de um determinado suco eu tenho 100% de açaí ou eu tenho outras misturas”, reforçou.

Barcarena – Para viabilizar as próximas etapas foi que ocorreu uma primeira reunião, no último dia 7 de julho de 2021, na sede da Organização Social BioTec-Amazônia, com Edson Anilo Cardoso, titular da Secretaria Municipal de Agricultura (Semagri), de Barcarena, município pertencente a mesorregião Metropolitana de Belém. O encontro busca uma aliança com um município pioneiro na utilização dos dados do projeto e fortalecer a avaliação do cenário municipal para aplicação dessas duas etapas da pesquisa na produção local do açaí.

Edson Cardoso, durante o encontro, destacou as características presentes na produção do açaí no município de Barcarena. “Hoje, tradicionalmente, nós temos a cadeia produtiva do açaí no nosso município. Mas, nós também temos outras cadeias produtivas que podem ser fomentadas. Hoje nós temos muito a ideia do produto in natura. O que nós estamos tentando avançar é nessa potencialização de cadeia produtiva, de forma consorciada, onde eu não trabalhe só com a monocultura, mas que eu trabalhe junto com outras cadeias que podem gerar renda o ano todo ou em ciclos continuados”. Entre as cadeias produtivas destacadas por Cardoso, estão o açaí, o cacau e a banana, mas, também, a criação de peixes e aves, que podem ser inclusive utilizadas na merenda escolar do município.

Para Edson Cardoso, o projeto tratado pela BioTec-Amazônia traz uma ressignificação ao produto açaí. “Ele não vai mais ser só um entendimento do açaí extrativista, mas o entendimento do açaí que pode ser gerador de oportunidades, gerador de renda, dentro de uma cadeia produtiva verticalizada, industrializada, com produtos acabados com selo, tanto de qualidade como selo de pureza e de melhor reconhecimento do paladar e da estrutura do açaí”, finalizou.

Após a reunião de trabalho com a Secretaria Municipal de Agricultura (Semagri), de Barcarena, a BioTec-Amazônia também reuniu, nesta terça-feira,13, com a Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará), em busca de firmar parceria por meio de Acordo de Cooperação. Os objetivos principais são implementar a rastreabilidade de ponta a ponta na cadeia produtiva do açaí, bem como, estabelecer padrões de qualidade para os batedores e agroindústria do açaí.

Genoma – O estudo do genoma do açaí vai trazer informações, até então, desconhecidas de uma fruta tão importante para Amazônia e para o mundo. Apesar da genômica e do DNA serem associados à alta tecnologia, são eles que vão permitir a leitura do aproveitamento genético e biotecnológico do organismo. A pesquisa será realizada a partir do DNA da célula, encontrada no fruto do açaí. Artur esclarece que o genoma é que nem um relógio e, dentro dele, possuem 35 mil genes. “A pesquisa quer saber quais são eles. Vão ficar vários pedacinhos do DNA, bilhões de pedacinhos. A decodificação destes fragmentos a gente chama de sequenciamento”.

Após um processo químico, é separado o DNA do núcleo da célula. “É quando vamos botar os pedaços todos dentro de um robô. A máquina de sequenciar vai ler cada um: o que tem adenina, citosina, etc. Depois o computador vai pegar essas leituras todas e vai ver as quatro bases, e onde elas estão: timina (T), guanina (G), citosina (C) e adenina (A) que são encontradas no DNA”. O pesquisador explica que, terminada essa remontagem, é possível realizar a análise dos genes encontrados.

Texto: Sílvia Leão (BioTec-Amazônia)
Foto: BioTec-Amazônia

Categorias: Notícias

StartUp Pará é guia para iniciativas tecnológicas de empreendedorismo

Sectet - seg, 19/07/2021 - 14:26
19/07/2021

Iniciativa do governo, por meio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet), o StartUp Pará incentiva o empreendedorismo. Tendo como parceiros Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas (Fapespa), a Secretaria de Estado de Planejamento e Administração (Seplad) e o Parque de Ciência e Tecnologia (PCT) - Guamá, o projeto promove acesso a financiamento para as suas atividades e também a estrutura para desenvolvê-las. 

Tem como principal objetivo o apoio técnico e financeiro para propostas de ideias inovadoras ou empresas (startups) que provoquem mudanças significativas para o desenvolvimento sustentável do Estado. O programa oferece aos selecionados, de forma gratuita e de acordo com as etapas e o cumprimento das obrigações previstas, benefícios como capacitação, mentoria, infraestrutura, entre outros.

Além disso, serão destinados recursos no valor de R$ 3,5 milhões, sendo investidos até R$ 2,8 milhões diretamente nos projetos. Para a modalidade aceleração, as propostas devem ter valor de até R$ 200 mil, e para a modalidade novos negócios, de até R$ 80 mil. Os demais recursos financeiros serão usados no desenvolvimento do programa.

"O governo do Pará vem trabalhando para vencer grandes desafios relacionados à inovação, isso inclui ampliar o número de empresas inovadoras e promover maior interação entre o setor público e privado. Nesse caminho, foi lançado o Programa StartUP Pará - Apoio à Estruturação de Ambientes Promotores de inovação de base tecnológica, o qual traz a marca do pioneirismo, sendo executado, exclusivamente, com recurso financeiro estadual. Sobretudo, trata-se de política pública estadual de estímulo de iniciativas inovadoras e startups localizadas em todo o estado, possibilitando um ambiente favorável para a atração de investidores ao promover e acelerar startups e implantar medidas de apoio ao empreendedorismo", explica Maria Trindade, coordenadora do StartUp Pará.

Ainda de acordo com a gestora, a aceleração prevista aos empreendedores, no atendimento ao Edital 002/2020, contribui com benefícios qualitativos, criando a possibilidade das propostas que envolvem riscos tecnológicos, ao serem executadas, terem maior chance de sucesso. E esse é justamente o diferencial do programa; não prevê só o repasse do recurso (por subvenção), oferece conhecimento sobre mercado, vendas, network, atração de investidores, suporte para transformar ideias em negócios, além de promover e acelerar o crescimento das startups, entre outros. O conhecimento é o elemento central para consolidar o desenvolvimento das propostas.

Para o apoio financeiro, nessa primeira chamada, os participantes terão a oportunidade, após a avaliação final, de serem contemplados na modalidade novos negócios com até R$ 80 mil e na modalidade aceleração com até R$ 200 mil.

Walter Jr. é dono da Inteceleri, startup que tem história que até se confunde com a do PCT. "Ambiente de muito crescimento, aprendemos bastante em todos os processos. Houve ajuda, formação, programas de aceleração, e o tanto que evoluímos nem dá pra mensurar. Nós preparamos para exportar nosso produto, todo aquele cuidado com proteção intelectual. Todo um networking com empresas que nos ajudam a validar, construir. O Startup Para nos ajuda muito", reconhece.

Sobre o PCT
O Parque de Ciência e Tecnologia Guamá (PCT Guamá) é o primeiro parque tecnológico a entrar em operação na Amazônia. O objetivo é estimular a pesquisa aplicada, o empreendedorismo inovador, a prestação de serviços e a transferência de tecnologia para o desenvolvimento de produtos e serviços de maior valor agregado e fortemente competitivos.

Os recursos investidos na construção e consolidação do PCT são oriundos do governo do Estado do Pará por meio da Sectet em parceria com o Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Definidas a partir das vocações do estado do Pará e das competências regionais instaladas, as áreas estratégicas de atuação do PCT Guamá são focadas em Biotecnologia; Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC); Energia; Tecnologia Ambiental e Tecnologia Mineral. 

Texto: Carol Menezes (Secom)
Fotos: Bruno Cecim/Agência Pará

Categorias: Notícias

Governo coopera com municípios para fortalecer a rede de ensino tecnológico e profissionalizante

Sectet - qui, 15/07/2021 - 14:15
15/07/2021

Promover um ambiente de cooperação entre o estado e os municípios para fortalecer a rede de ensino profissionalizante no Pará foi o objetivo principal da reunião realizada na tarde desta quarta-feira (14) entre a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet) e representantes de prefeituras de municípios que sediam Escolas de Ensino Técnico do Estado do Pará (Eetepa’s) e Educação Profissional Tecnológica (EPT).

“Essa reunião é importante para estreitar a relação com os municípios e fazer com que a educação profissional ganhe o destaque e o protagonismo que deve ter na promoção do desenvolvimento do estado e não há como promover esse desenvolvimento sem investir na formação das pessoas”, destacou o titular da Sectet, Carlos Maneschy.

Presentes no auditório do Conselho Estadual de Educação, prefeitos e secretários de educação de dez municípios paraenses, professores e diretores de escolas técnicas, além da equipe da Sectet responsável pela gestão do ensino técnico na rede estadual. 

“Esse momento é muito importante, pois os municípios não têm condições de sozinhos custearem a formação profissional da população e o estado está nos dando a oportunidade de juntos definirmos a oferta de cursos de acordo com as necessidades imediatas de cada um”, disse a prefeita de Benevides, Luziane Solon.

Parceria – O secretário Carlos Maneschy ressaltou que a decisão do governador Helder Barbalho em transferir a gestão das Eetepa’s da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) para a Sectet (o que ocorreu há um ano) teve o propósito de estabelecer um novo marco na educação profissional no estado. “Temos a convicção de que é possível criar um ambiente de cooperação para fazermos mais e melhor. Para tanto, a parceria com os municípios é fundamental”, declarou.

A secretária adjunta da Sectet, Edilza Fontes, enfatizou que os municípios precisam planejar o ensino profissionalizante. “Nesse planejamento é importante ouvir os estudantes, os comerciantes, empresários, enfim, dialogar com todos os setores locais para saber quais profissionais são necessários para o desenvolvimento local”, frisou Edilza Fontes.

O diretor de ensino técnico e tecnológico da Sectet, Leôncio Siqueira, chamou atenção para a adequação da oferta dos cursos à vocação econômica de cada município, trabalhando a conscientização dos estudantes desde o ensino fundamental. “É preciso mostrar aos estudantes que tipo de formação profissional vai promover o desenvolvimento futuro do município”, orientou Leôncio.

Rede – O coordenador de ensino técnico e tecnológico da Sectet, José Pereira Neto, apresentou a rede de escolas sob a responsabilidade da secretaria, mostrando o acréscimo de 15% na oferta de vagas em cursos técnicos este ano nas modalidades subsequente, integrado, proeja e concomitante. 

O coordenador destacou ainda a possibilidade de realização de cursos de Formação Inicial Continuada (FIC), que têm curta duração e promovem a profissionalização para imediata colocação no mercado de trabalho. “Estamos à disposição dos municípios para definirmos juntos a oferta de cursos que possam dar oportunidade aos jovens de ingressarem no mercado de trabalho e mudarem suas vidas e de duas famílias”, declarou José Neto.

Retorno – Outro assunto tratado na reunião foi a volta ao ensino presencial a partir de agosto. A representante do Conselho Estadual de Educação, Beatriz Padovani, explicou que o retorno será gradativo, com ensino híbrido em agosto e setembro. No primeiro mês serão 25% dos alunos presencialmente nas salas, em setembro, 50% até que em outubro 100% possam estar em sala de aula.

Para o retorno às aulas presenciais, a Sectet está garantindo às Eetepa’s toda a estrutura necessária para o cumprimento das medidas sanitárias previstas no protocolo de combate à pandemia de Covid-19. “A Sectet vai disponibilizar a cada Eetepa sob a nossa responsabilidade R$ 10 mil de suprimento de fundo para garantir o cumprimento das medidas sanitárias”, informou José Neto.

Respondendo às preocupações de professores e diretores quanto ao retorno do ensino presencial, o secretário Carlos Maneschy frisou que o governo também se preocupa com a saúde e segurança de todos. “A qualquer sinal de risco, poderemos voltar atrás. A decisão agora é promover o retorno ao ensino presencial e vamos cumprir à risca o protocolo, garantindo o necessário para voltar com segurança”, tranquilizou Maneschy.

Texto: Jeniffer Galvão (Ascom/Sectet)
Fotos: Priscila Castro (Ascom/Sectet)

 

Categorias: Notícias

Pará regulamenta leis de fomento à ciência, tecnologia e inovação

Sectet - ter, 13/07/2021 - 15:39
13/07/2021

O Pará é o primeiro estado da região Norte a dispor de legislação completa para o fomento de políticas públicas na área de ciência, tecnologia e inovação. Isso foi possível com a publicação no Diário Oficial do Estado nesta terça-feira (13) do Decreto 1713/2021 que regulamenta a legislação federal e estadual indicando de que forma a administração pública deve agir para implementar a política estadual de ciência, tecnologia e inovação.

“Com a publicação do decreto 1713/2021 pelo governador Helder Barbalho agora temos maior segurança jurídica para colocar em prática ações que aproximam o Estado, as instituições de ciência e tecnologia e o mercado para gerar produtos e serviços que levem ao maior desenvolvimento sustentável do Pará”, explica o titular da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet), Carlos Maneschy.

Segundo o Núcleo Jurídico (Nujur) da Sectet, com a publicação do decreto os gestores têm maior autonomia para colocar em prática projetos que utilizam o conhecimento produzido nas Instituições de Ciência e Tecnologia (ICT’s) para gerar novos negócios, trabalho e renda, ampliando a competitividade da economia paraense e o desenvolvimento social do estado.

“Essa adequação da legislação na área de ciência e tecnologia é um anseio do secretário Carlos Maneschy, que desde o início da gestão vem tomando iniciativas para promover essa segurança jurídica e tem sido atendido pelo governador”, destaca Nágila Sousa, procuradora autárquica e fundacional do estado lotada na Sectet.

O decreto prevê que os gestores de órgãos do estado possam editar medidas auxiliares que permitam a realização das políticas na área, além de prever a subvenção econômica e bônus tecnológico a empresas que assim poderão ter aporte financeiro do estado para colocar em prática ideias e projetos inovadores.

“O decreto simplifica a prestação de contas, tirando amarras burocráticas da gestão de ciência e tecnologia. É um grande avanço que vai nos permitir fazer muito mais em prol do desenvolvimento do estado e da nossa população”, acrescenta a secretária adjunta da Sectet, Edilza Fontes.

Confira a íntegra do Decreto AQUI.

Texto:Jeniffer Galvão
Foto: Priscila Castro

 

Categorias: Notícias

Prodepa vai implantar novo Sistema de Atendimento Integrado à Mulher

Prodepa - qui, 08/07/2021 - 10:03

 

O Sistema de Atendimento Integrado à Mulher (SIV-MULHER) versão 2.0 será lançado em agosto e terá atualizações importantes para atender as demandas de combate à violência doméstica e a implantação de uma ferramenta de análise de dados.

Tags: #Prodepa#SIVMulher2.0#TecnologiaaServiçodoCidadão
Categorias: Notícias

Prodepa vai implantar novo Sistema de Atendimento Integrado à Mulher

Prodepa - qui, 08/07/2021 - 10:03

 

O Sistema de Atendimento Integrado à Mulher (SIV-MULHER) versão 2.0 será lançado em agosto e terá atualizações importantes para atender as demandas de combate à violência doméstica e a implantação de uma ferramenta de análise de dados.

Tags: #Prodepa#SIVMulher2.0#TecnologiaaServiçodoCidadão
Categorias: Notícias

Sectet e Inteceleri lançam projeto para facilitar uso de novas tecnologias nas Eetepas

Sectet - qui, 08/07/2021 - 08:27
08/07/2021

Na manhã desta quarta-feira (7), ocorreu no auditório do Conselho Estadual de Educação, o lançamento do projeto Sectet + Google for education, que consiste na cooperação entre Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet) e a empresa Inteceleri, parceira da Google. O objetivo é possibilitar o uso de diversas ferramentas tecnológicas para facilitar o processo de ensino aprendizado da rede de Escolas de Ensino Técnico do Estado do Pará (Eetepas), sob gestão da Secretaria desde julho do ano passado.

Na oportunidade, o titular da Sectet, Carlos Maneschy, enfatizou a importância da transferência de gestão dessas escolas para a Secretaria que chefia, lembrando que significa a transformação de diversos componentes, como infraestrutura, pedagogia, assim como a tecnologia disponível. “A Sectet vai se esforçar para colocar à disposição de todos tudo aquilo que almeja com esse processo e, assim, melhorar os indicadores educacionais no estado”, sinalizou.

O secretário destacou ainda como fundamental o envolvimento tanto dos profissionais que atuam nas escolas, bem como dos alunos, no uso das tecnologias que serão disponibilizadas pelo processo. Ele lembrou que a utilização das ferramentas tecnológicas não deve diminuir o papel estratégico dos professores.

Para o coordenador de ensino técnico e tecnológico da Sectet, José Pereira Neto, o uso da tecnologia na educação é um caminho sem volta, por isso a Secretaria trabalha para levar aos professores e alunos das Eetepas o que há de melhor nesse sentido. “Me sinto orgulhoso pelo que está ocorrendo na gestão das escolas técnicas. A tecnologia é uma ferramenta fundamental nesse processo, principalmente no que diz respeito à base para entrada dos alunos no mercado de trabalho. Este é um avanço significativo na forma de ensinar e aprender”, pontuou.

Durante o evento, além do titular e do coordenador da Sectet, também estiveram presentes à mesa o diretor educacional da Inteceleri, Walter Oliveira; a líder da área pedagógica da empresa, Bárbara Chagas; a representante do Conselho Estadual de Educação, Beatriz Padovani; o professor da Universidade Federal do Pará, Yuri Santiago; e o coordenador de tecnologia da informação da Secretaria, Carlos Augusto Motta. Na plateia, de forma presencial, estavam servidores da Sectet e, de forma remota, participaram diretores e professores das Eetepas.

Nos próximos dias, tanto servidores como os profissionais da escolas técnicas participarão de treinamento, realizado pela equipe Inteceleri, para aprenderem a usar as ferramentas google no processo de ensino-aprendizado.

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Forma Pará aplica prova da chamada 2020 no fim de semana

Sectet - ter, 06/07/2021 - 13:48
06/07/2021

Foi realizada no último domingo (4) a prova do Processo Seletivo Especial (PSE) da chamada 2020 do  Forma Pará. Nesta etapa, o programa oferta 1.095 vagas em 22 municípios do estado. Executado pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet), o Forma Pará é o programa do Governo do Estado que visa reduzir o déficit paraense de acesso à formação superior.

Ele possibilita a união com Instituições de Ensino Superior (IES) Públicas, Prefeituras e associações municipais no intuito de expandir a oferta de vagas de nível superior (bacharelado, licenciatura e tecnológico) nos municípios onde não há campi dessas instituições ou onde não exista a oferta de determinado curso, porém, haja demanda devido à vocação econômica da região.

Para os estudantes desses municípios, a oportunidade de cursar o ensino superior na cidade onde moram é a chance de mudar de vida de forma acessível. "É muito importante ter o nível superior, então, tanto na questão financeira quanto de conhecimento, vai mudar nossa vida, abrindo espaços para um meio profissional, onde poderemos conhecer pessoas e nos especializar cada vez mais, e assim adquirir um futuro brilhante, uma carreira excelente, mostrando quão bom profissional podemos ser, exercendo a profissão”, diz Antônio Eduardo Ferreira, de Cachoeira do Piriá. 

Claudiana da Silva Messias, de Itupiranga, diz que esses novos cursos são muito importantes para o futuro profissional de quem realizou a prova. “Antes, a gente não tinha. Sempre tinha que recorrer a Marabá, que é a cidade mais próxima. Quem tinha condições fazia particular, e quem não tinha, continuava tentando. Hoje, essa oportunidade veio para contemplar os moradores daqui da região”.

Ariadne Assunção Xavier, de Ulianópolis, afirma que o curso ofertado para o município, agronomia, é essencial para os moradores. “Acho uma oportunidade muito boa. Nunca tivemos essa oportunidade aqui no município, então é um começo. E é um curso muito bom para quem mora aqui. É uma área muito boa”.

Exame

A prova foi composta de 35 questões, de múltipla escolha, com quatro alternativas cada, para que o candidato escolha apenas uma delas. A nota da prova dos candidatos não eliminados nos termos do edital será acrescida de 10% para aqueles que tenham cursado pelo menos um dos anos ou estejam cursando o último ano do ensino médio no município/distrito em que o curso está sendo ofertado, conforme indicação feita no ato da inscrição que deverá ser comprovada no ato da habilitação ao vínculo institucional.

Nesta chamada, o programa contou com a parceria da Universidade do Estado do Pará (Uepa), da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa),  da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), da Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra) e do Instituto Federal do Pará (IFPA).

Os municípios e distritos contemplados pela chamada 2020 do Forma Pará são: Abel Figueiredo, Bagre, Belém(Icoaraci), Belém(Mosqueiro), Bom Jesus do Tocantins, Cachoeira do Piriá, Curuçá, Dom Eliseu, Goianésia, Itupiranga, Jacundá, Marituba, Mocajuba, Muaná, Novo Progresso, Novo Repartimento, Ourém, Ourilândia do Norte, Piçarra, Rurópolis, Salinópolis, Tailândia e Ulianópolis.

Os candidatos têm até terça-feira (06) para entrar com recurso referente a questões da prova. O resultado final será divulgado no dia 6 de agosto.

Chamada 2021

A chamada 2021 do Forma Pará foi lançada no último dia 29 de junho. Nesta etapa, o programa amplia o número de vagas ofertadas, serão quase 2.000, totalizando 37 turmas em 34 municípios paraenses. Desta vez, o programa também conta com a parceria de todas as IES públicas presentes no estado (Uepa, Unifesspa, IFPA, Ufra, UFPA e Ufopa). As provas para o preenchimento destas vagas devem ocorrer até novembro deste ano.

O Forma Pará já está presente em 10 das 12 regiões de integração do estado. Para os moradores dessas regiões, o programa representa uma porta de acesso à qualificação profissional. Os cursos se configuram como oportunidades únicas que devem ser aproveitadas ao máximo pelos estudantes, que assim, têm a chance de transformar suas vidas para melhor. 

Texto: Rafael Miyake (estagiário da Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Inexigibilidade

Sectet - ter, 06/07/2021 - 08:30
06/07/2021

A Sectet torna público o Termo de Ratificação de Inexigibilidade 01/2021

O documento completo pode ser acessado AQUI.

Categorias: Notícias

Inovações Pós-Pandemia é tema de ciclo de palestras em alusão à Sectid 2021

Sectet - qui, 01/07/2021 - 10:57
01/07/2021

Foi realizado, nos dias 28, 29 e 30 de junho, o ciclo de palestras e debates em alusão à Semana Estadual de Ciência, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento (Sectid) 2021. Com o tema “Inovações Pós-Pandemia”, a conferência reuniu professores, profissionais e especialistas de diversas áreas, em busca de dialogar sobre as mudanças, desafios e inovações causadas pela pandemia de Covid-19. Totalmente online, o evento foi organizado pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet).

“Nós pretendemos que este evento seja um símbolo de esperança, uma vez que agora já conhecemos mais a pandemia, e as soluções que deram e estão dando certo. Ainda estamos em pandemia, mas temos certeza de que estamos cada vez melhor. E este evento mostra para vocês o que profissionais, cientistas, pesquisadores de diversas áreas têm feito nesse tempo de pandemia”, declarou o diretor de ciência e Tecnologia da Sectet, Demethrius Lucena, durante a abertura do evento.

A Sectid 2021 contou com o apoio da empresa de inovação Inteceleri, parceira da Google, localizada no Parque de Ciência e Tecnologia Guamá (PCT-Guamá). A programação ocorreu nos três turnos (manhã, tarde e noite) e teve as mesas e palestras divididas em segmentos como: Edtech, Fintech, Health tech, Judiciário Conectado, Agrotech, Mineração, ICTs, Academias, Empreendedores, entre outros.

O palestrante Douglas Prado, que apresentou a conferência “As tecnologias a serviço da resolução de conflitos”, agradeceu à Sectet pela oportunidade de falar sobre o tema. “O que me cabe hoje é, antes de mais nada, fazer um agradecimento especial ao secretário Carlos Maneschy por abrir este espaço dentro da semana de ciência e tecnologia. Isso demonstra preocupação em como estamos manejando as resoluções de conflitos nesses tempos mais difíceis”.

Já no encerramento, o diretor Demethrius Lucena agradeceu a presença dos convidados e espectadores. “O evento foi um grande sucesso, foram mais de 73 palestrantes. Quase duas mil pessoas assistiram ao vivo. Mais de 40 horas de conteúdo”

A Semana Estadual foi instituída pela Lei 8.841, de 8 de abril de 2019, publicada no Diário Oficial do Estado no dia 9 de abril de 2019. O objetivo da lei é promover, incentivar e divulgar atividades de ciência, tecnologia e inovação, inclusive seus avanços, no âmbito do estado do Pará. A ideia é dar espaço às ações e pesquisas para que a sociedade conheça o que está sendo desenvolvido.

A programação completa da SECTID está disponível para ser assistida no canal do evento no Youtube.

Texto: Rafael Miyake (estagiário da Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Prova da chamada 2020 do programa Forma Pará ocorre no próximo domingo (4)

Sectet - qui, 01/07/2021 - 09:44
01/07/2021

No próximo domingo (4), os estudantes que concorrem a uma vaga do Programa Forma Pará, chamada 2020, realizam a prova do processo seletivo especial. Mais de 5.800 candidatos concorrem a 1095 vagas distribuídas em 22 municípios. O horário de realização das provas é de 8h às 12h. O Forma Pará é o programa do governo do estado, executado pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet), que visa reduzir o déficit paraense de acesso à formação superior.

O programa possibilita a união com Instituições de Ensino Superior (IES) Públicas, prefeituras e associações municipais no intuito de expandir a oferta de vagas de nível superior (bacharelado, licenciatura e tecnológico) nos municípios onde não há campi de tais instituições ou onde não exista a oferta de determinado curso, porém haja demanda para tal devido à vocação econômica da região.

Para a realização dos processos seletivos especiais, o programa conta com a parceria da Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (Fadesp). A chamada 2020 foi lançada em agosto daquele ano e a prova para seleção dos candidatos, que ocorreria no dia 13 de dezembro, foi adiada por duas vezes devido ao cenário pandêmico daquele momento.

A prova do próximo domingo será composta de 35 questões, de múltipla escolha, com quatro alternativas cada, para que o candidato escolha apenas uma delas. Serão cinco questões de cada uma das seguintes disciplinas: Língua Portuguesa, Matemática, História, Geografia, Física, Química e Biologia.  Cada questão correta da prova objetiva valerá um ponto, totalizando 35 pontos.

A nota da prova dos candidatos não eliminados nos termos do edital será acrescida de 10% para aqueles que tenham cursado pelo menos um dos anos ou estejam cursando o último ano do ensino médio no município/distrito em que o curso está sendo ofertado, conforme indicação feita no ato da inscrição que deverá ser comprovada no ato da habilitação ao vínculo institucional.

Nesta chamada, o programa conta com a parceria da Universidade do Estado do Pará (Uepa), da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa),  da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), da Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra) e do Instituto Federal do Pará (IFPA).

Os municípios e distritos contemplados pela chamada 2020 do Forma Pará são: Abel Figueiredo, Bagre, Belém(Icoaraci), Belém(Mosqueiro), Bom Jesus do Tocantins, Cachoeira do Piriá, Curuçá, Dom Eliseu, Goianésia, Itupiranga, Jacundá, Marituba, Mocajuba, Muaná, Novo Progresso, Novo Repartimento, Ourém, Ourilândia do Norte, Piçarra, Rurópolis, Salinópolis, Tailândia e Ulianópolis.

Concorrência

Com 19,52 candidatos por vaga, o curso de Gastronomia ofertado pela Uepa em Icoaraci, distrito de Belém, é o mais concorrido entre os cursos oferecidos nesta etapa. O segundo curso com maior demanda é Psicologia, ofertado pela Unifesspa em Jacundá, município da região sudeste paraense, são 14,46 candidatos por vaga.

A demanda completa por cursos, assim como os cartões de inscrição para impressão podem ser encontrados no site da Fadesp.  Após a prova, os candidatos têm dois dias para entrar com recurso. O resultado final será divulgado no dia 6 de agosto.

Chamada 2021

A chamada 2021 do Forma Pará foi lançada na última terça-feira, 29. Nesta etapa, o programa amplia o número de vagas ofertadas, serão quase 2.000, totalizando 37 turmas em 34 municípios paraenses. Desta vez, o programa também conta com a parceria de todas as IES públicas presentes no estado (Uepa, Unifesspa, IFPA, Ufra, UFPA e Ufopa). As provas para o preenchimento destas vagas devem ocorrer até novembro deste ano.

O Forma Pará já está presente em 10 das 12 regiões de integração do estado. Para os moradores dessas regiões, o programa representa uma porta de acesso à qualificação profissional. Os cursos se configuram como oportunidades únicas que devem ser aproveitadas ao máximo pelos estudantes, que assim, têm a chance de transformar suas vidas para melhor. 

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Eetepa Celso Malcher promove engajamento de alunos com projeto de gamificação

Sectet - qua, 30/06/2021 - 15:51
30/06/2021

Promover o engajamento e comprometimento de estudantes com a finalidade de alcançar um objetivo estratégico para tornar o ensino e a aprendizagem mais efetivos. Esse é um dos objetivos do projeto de gamificação desenvolvido pelos professores Escola de Ensino Técnico do Estado do Pará (EETEPA) Dr. Celso Malcher, em Belém. E para encerrar o I semestre letivo de 2021, a escola promoveu, na manhã desta quarta-feira (30) a I Gincana de Gamificação Celso Malcher.

Buscando promover ações didático-pedagógicas inovadoras no contexto das metodologias ativas por meio da gamificação, como parte formativa de professores e alunos, foram realizadas na escola, desde março, diversas atividades como cursos e oficinas sobre a utilização de softwares e plataformas específicos. O projeto de gamificação é coordenado pelos professores Saul Barreto, Nylton Maciel e Cintia de Paula da Silva Rodrigues.

A EETEPA Dr. Celso Malcher faz parte da rede de escolas que estão sob a gestão da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet) desde 2020. Para prestigiar o evento, o coordenador de ensino técnico e tecnológico da Sectet, José Pereira Neto, esteve na escola. Elogiando o engajamento de professores e alunos, ele lembrou que o segmento da educação sofreu de maneira muito significativa com a pandemia.

“Ver ações como essas, pensadas ‘fora da caixa’, em que se observa o engajamento de toda uma equipe, mostra para todos aqueles que dizem que não é possível fazer algo de qualidade neste momento que eles estão errados.  Com este projeto,  observamos que é possível desenvolver ações de qualidade que levam os alunos para dentro das escolas de maneira significativa e expressiva mesmo que virtualmente”, pontuou o coordenador.

Gamificação

A palavra gamificação é um neologismo derivado da palavra game, que em português significa jogo. Entretanto se engana quem pensa que esse termo refere-se simplesmente ao ato de “jogar” ou mesmo “brincar”. A gamificação trata do ato de evocar para as interações diárias vários elementos das mecânicas dos jogos, com a finalidade de potencializar um maior engajamento, autoestima, dinamicidade, empenho, autoconfiança e motivação para essas interações.

O professor Saul Barreto conta que após essa qualificação dos professores no primeiro momento do projeto, foram usadas as ferramentas gamificadas em atividades com o conteúdo escolar em um ambiente virtual. “Essa gincana foi pensada de forma que pudéssemos envolver os alunos e professores em um ambiente colaborativo, de conhecimento e de mútua ajuda, colocamos os alunos representantes das turmas para responder perguntas dos conteúdos estudados durante o semestre, utilizando ferramentas gamificadas”, explica.

Para a aluna do curso técnico em segurança do trabalho, Francilene Pires, de 18 anos, o projeto é extremamente importante neste momento de pandemia em que os estudantes se sentem desmotivados em assistir às aulas de forma remota. “Mesmo estudando em casa, à distância, não é a mesma coisa que estudar na escola, com os professores. E esse projeto nos motiva a estudar para participar da gincana”, ressalta. Ela conta também que o projeto a ajudou na vida pessoal, além de ampliar seus conhecimentos, Francilene agora está conseguindo enfrentar alguns medos, como enfrentar o público em uma apresentação, e superar a ansiedade.

Dinâmica do evento

A gincana foi aberta apenas para os alunos da escola, cada turma teve que eleger dois representantes, sendo um titular e um suplente que participaram das etapas da gincana de forma presencial. Houve rodadas em que o representante da turma precisou da ajuda de seus colegas de classe para responder as questões e passar de etapas, dessa forma o restante da turma participou virtualmente. A turma vencedora foi a representada pela aluna Thaires Ribeiro, do curso de segurança do trabalho, da modalidade subsequente, no turno da tarde. Todo o evento foi transmitido na rede social da escola.

Gestão das Escolas Técnicas

Perto de completar um ano, a Lei 9104/2020, que transferiu a gestão das escolas técnicas estaduais da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) para a Sectet já resultou em diversos avanços. Com a lei publicada no Diário Oficial do Estado do dia 17 de julho de 2020, o governo do estado visa intensificar a integração do ensino médio regular a uma educação profissional e tecnológica, dentro da rede de escolas técnicas já existente, buscando ainda ampliar a rede, alcançando mais municípios, ajudando a fomentar a vocação econômica das diversas regiões paraenses.

Texto: Fernanda Graim (Ascom/Sectet)

Categorias: Notícias

Páginas